Medo, Preconceito e Falta de Conhecimento

November 29, 2018

Texto de Luiz Correa

Gerente de conteúdo online em Português

 

Há mais de 30 anos o mundo conheceu uma doença que por anos passou como um grande tsunami levando milhares de vidas e deixando famílias e amigos em luto.

A AIDS  por muito tempo foi considerada a doença dos homossexuais, drogados e prostitutas. Hoje o chamados grupos de risco ele é maior e não exclusivo de um grupo, muitas mulheres, crianças que já nascem com a doença vindas de mães contaminadas. Muitos jovens que por descuidos ou simplesmente por negligenciar o risco de se viver com HIV/AIDS

A falta de informação ou por preconceito mesmo, muitos jovens tem deixado de realizar o teste ou mesmo demoram, onde é possível saber se está contaminado com o vírus e se for o caso começar um tratamento.

Apesar de o Brasil ter um dos melhores países no tratamento contra HIV/AIDS no mundo, reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a exclusão social e o preconceito contra pessoas com HIV/AIDS é uma das barreiras que impedem  jovens de procurarem o teste ou mesmo o tratamento.

Claro que ninguém quer receber uma noticia como esta que vem como uma avalanche, Muitos se sentem solitários e isolados, e este é um momento em que o apoio da família e amigos e todo tipo de auxílio de especialistas são indispensáveis.

No artigo Aids e Direitos Humanos, do jornalista e escritor Paiva Netto afirma: “Se a pessoa se sentir humanamente amparada, criará uma espécie de resistência interior muito forte, que a auxiliará na recuperação ou na paciência diante da dor. Costumo afirmar que o vírus do preconceito agride mais que a doença“.

O surgimento da doença despertou medo e intensificou dúvidas, o que fez muita gente ocultar a doença por medo de discriminação por parte da família e das pessoas próximas. Só não pode conviver com o preconceito, que muitas vezes faz a pessoa abandonar o tratamento médico

Mesmo com toda a informação disponibilizada pela mídia, ainda se cria muito medo em relação ao portador do HIV/Aids, como se a doença fosse transmitida através do toque, do ato de cumprimentar, abraçar. O que as campanhas lembram à sociedade é que os portadores do HIV são pessoas normais e não devem nunca ser estigmatizadas. O que se precisa entender e trabalhar bastante e a discriminação, pois ela faz com que as pessoas ainda não se previnam, não façam o teste e não se tratem.

Em seu livro Reflexões da Alma, o escritor Paiva Netto afirma: “O organismo humano é a mais extraordinária máquina do mundo. Mesmo assim, falha. Contudo, com Amor até os remédios passam a ter melhor resultado”.

Dear Reader: Thank you for visiting Affirmation today. As we close the year 2021, please consider supporting our work to create and sustain communities of safety, love, and hope for LGBTQIA+ current and former Latter-day Saints and their families and friends by making a donation today. Your donation now will help host our international and regional conferences, support local activities, sustain our online communities, provide suicide prevention training, and ensure that Affirmation is able to effectively promote understanding, acceptance, and self-determination of individuals of diverse sexual orientations, gender identities and expressions. Please donate now.

Posted In:

Receive the Affirmation e-newsletter with content like this in your inbox!

Leave a Comment