Fui Em Busca Do Verdadeiro Eu

12 de janeiro de 2018

Rafael Oliveira - Fortaleza
 
Meu contato com os missionários da igreja mórmon ocorreu quando eu tinha 14 anos. Há uns dois anos eu preciso de frequentar a igreja católica e buscava uma nova denominação .Demorei um pouco a me batizar (minha família não permitia), mas com persistência da irmãs minha mãe aceitou. Eu sou muito grato pelas experiências vividas dentro da igreja mórmon, alguns princípios eu mantenho até hoje.
Desde criança percebi que gostava de meninos e que portanto, eu tinha algo de diferente. Durante os anos em que estive na igreja tomei isso como uma provação para a minha vida. Nunca relaciono a nenhuma líder, mas convivia com isso em minha mente.
Quando chegou o período de servir missão, mais uma vez houve um forte pressão da família para eu não ir, mas um fator que pesava em minha mente era que eu estava mentindo em ir ao templo sem falar sobre isso, sem os líderes saberem disso.
Acabei desistindo com as malas prontas, literalmente. Esse foi o período muito ruim para mim na igreja, pois eu era pressionado pelo bispo e presidente da estaca. Depois disso, eu cômodo a frequentar a igreja menos intensidade, acabei mudando de ala (Parangaba para aldeota), isso me fornecerá a ficar firme novamente, mas com a certeza que eu não poderia ser um membro normal.
Nesse período, comei a cursar filosofia, com isso minha mente se abriu pra muitas coisas, principalmente a minha sexualidade. Eu sabia que quando tinha o primeiro contato sexual com outro homem, não teria mais retorno (antes de ser membro da igreja eu tivo um pequeno relacionamento com um primo sem muitas consequências). E isso se deu quando eu conheci um rapaz pela internet.
 Lembro que me senti muito triste, mas não podia negar que havia sido bom. Me afastei de vez da igreja. Tenho saudades, mas não me vejo frequentando. Tenho amigos na igreja. Amo ouvir como música da igreja. Foram anos que me marcaram.
 Eu me considero com formação religiosa mórmon, mas sabendo que o mormonismo é apenas um programa religioso como muitos outros.
 Já tinha ouvido falar sobre o Afirmação, até busquei um contato, mas na época só troquei contato com um colombiano pelas redes sociais e não persistência. Depois de um tempo senti interesse em procurar e estabeleceri contato com Sandra Cristina a Presidente da Afirmação no Brasil.
Muito bom saber que existem pessoas que passaram por coisas parecidas pelas quais eu passei e que há interesse de uns em fortalecer e ajudar a outros a aceitarem ou saber conviver da melhor maneira sua vida.

Caro leitor: Obrigado por visitar a Afirmação hoje. Ao encerrarmos o ano de 2021, considere apoiar nosso trabalho para criar e manter comunidades de segurança, amor e esperança para LGBTQIA + atuais e ex-santos dos últimos dias e suas famílias e amigos por fazendo uma doação hoje. Sua doação agora ajudará a hospedar nossas conferências internacionais e regionais, apoiar atividades locais, sustentar nossas comunidades online, fornecer treinamento de prevenção de suicídio e garantir que a Afirmação seja capaz de promover efetivamente a compreensão, aceitação e autodeterminação de indivíduos de diversas orientações sexuais, identidades e expressões de gênero. Por favor doe agora.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário