Dia Mundial da AIDS

4 de dezembro de 2017

Por David Mans
Traduzido por Joel McDonald

No dia 1º de dezembro de cada ano, é comemorado o primeiro contra Aids e HIV.

No ano de 1981, começaram a ser registrados óbitos entre a população homossexual dos Estados Unidos, todos relacionados à debilidade do sistema imunológico, pessoas morriam de causas normalmente inofensivas para a maioria.

Em 1981, as mortes entre a população homossexual nos Estados Unidos começaram a ser notadas; todos eles relacionados à fraqueza do sistema imunológico. Pessoas morriam de causas que normalmente eram tratáveis.

A AIDS foi diagnosticada pela primeira vez em 1983, depois que se descobriu que essas mortes misteriosas foram causadas pelo mesmo vírus: o vírus da imunodeficiência humana (HIV). Este vírus era em grande parte desconhecido até o ator Roch Hudson compartilhar publicamente que havia sido infectado.

Novas infecções ocorrem todos os anos

Nos primeiros anos a AIDS era uma sentença de morte, mas com a evolução do tratamento hoje é considerada uma doença crônica, que pode ser controlada com anti-retrovirais, boa alimentação e exercícios, além dos exames que os portadores devem fazer regularmente.

Talvez esse relaxamento em relação às consequências que a doença nos apresenta seja que ela ainda não foi erradicada. Mesmo na Argentina, o contágio vem aumentando entre os jovens de 15 a 29 anos, segundo o jornal La Nación:

A mudança de uma sentença de morte para uma condição tratável é talvez uma das razões pelas quais a doença ainda não foi erradicada. Mesmo na Argentina, a doença vem aumentando entre os jovens de 15 a 20 anos, segundo o jornal La Nación,

“De acordo com o relatório que o Ministério da Saúde da Nação… diminuiu nestes anos a proporção de homens que contraem a infecção nas relações sexuais com mulheres de 51% em 2008-2010 para 42,2% em 2014-2016. 'É uma tendência totalmente oposta ao que acontece com os homens que se infectaram durante as relações sexuais com outros homens, que passou de 43,3% no triênio 2008-2010 para 56% em 2014-2016, ou seja, um crescimento percentual de quase 13 pontos ', alerta no Boletim sobre HIV, AIDS e Infecções Sexualmente Transmissíveis (ITS) na Argentina. ” (HIV: casos crescem em homens entre 15 e 29 anos)

A principal causa de infecção é o sexo desprotegido sem preservativo ou outro medicamento profilático.

Os números do Ministério da Saúde da Nação Argentina são um reflexo do que acontece no mundo. Segundo o jornal espanhol El País, houve um aumento no percentual de novas infecções entre menores de 30 anos: foi de 25,9% entre 2004 e 2009 quando os tratamentos antivirais com alta eficácia foram generalizados. Em 2014, o último ano com dados, aqueles nesta faixa etária representaram 29,4% (Dia Mundial contra a AIDS: a chave para não desaparecer).

O que a OMS diz

Embora não seja considerada uma doença mortal, o fato é que as pessoas continuam morrendo de causas relacionadas ao HIV. Em 2016, um milhão de pessoas infectadas com o vírus morreram e 1,8 milhão de pessoas foram infectadas.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que existam 36,7 milhões de pessoas em todo o mundo vivendo com HIV e que 70% dessas pessoas não sabem disso.

O mais aberrante dessa realidade é que quase metade (47%) dos adultos infectados e mais da metade das crianças (57%) não tem acesso ao tratamento anti-retroviral. Sem tratamento, estima-se que uma pessoa afetada possa sobreviver em média, após a infecção, entre 9 e 11 anos.

De acordo com a OMS, os grupos de maior risco são:

Existem grupos populacionais que merecem atenção especial pelo aumento do risco de infecção pelo HIV, independentemente do tipo de epidemia e da situação local: homens que mantêm relações homossexuais, usuários de drogas injetáveis, presidiários e encarcerados. Em outros ambientes, profissionais do sexo e seus clientes e transexuais. (OMS HIV / AIDS)

Mas a verdade é que cada um de nós pode contrair a doença. Não fique obcecado, mas tenha cuidado; não apenas para nós, mas para aqueles que nos amam e nos amam.

Prevenção de infecção

O HIV é transmitido pela troca de certos fluidos corporais da pessoa infectada, como sangue, leite materno, sêmen ou secreções vaginais. O cuidado que podemos ter para prevenir a infecção é simples:

  • Use preservativo ou outras formas de sexo protegido. Isto é muito importante: não confie na palavra de uma pessoa que acabou de conhecer. Embora possam parecer saudáveis, é impossível saber se alguém está infectado com o HIV olhando para eles.
  • Faça o teste regularmente, mesmo se achar que suas chances de ser infectado são baixas. Devemos lembrar que mais da metade das pessoas infectadas não sabem que estão infectadas.
  • Certifique-se sempre de que agulhas limpas estão sendo usadas ao receber imunizações ou outro tratamento médico.
  • Nunca compartilhe lâminas, agulhas ou qualquer outra coisa que possa entrar em contato com o sangue de outra pessoa.
  • E não é uma má ideia usar um par de luvas de látex para qualquer situação que envolva o sangue de outra pessoa (um acidente, o nariz de alguém, etc.).

Não é possível se infectar em contatos cotidianos comuns, como beijar, abraçar ou apertar as mãos ou compartilhar itens pessoais, água ou comida.

Portanto, compartilhar um copo, abraçar, beijar e mostrar amor a uma pessoa infectada não vai resultar em nós também pegá-lo, e muitas vezes é o que essas pessoas mais precisam.

Lembre-se de que cuidar de nós mesmos é cuidar de nossos entes queridos. Embora o HIV não seja uma sentença de morte, é uma doença que exige cuidados diários e dificuldades. Podem ocorrer complicações com outras condições de saúde (por exemplo, diabetes, hipertensão, obesidade, etc.) e com nosso meio ambiente, o que muitas vezes não pode ser previsto.

Caro leitor: Obrigado por visitar a Afirmação hoje. Ao encerrarmos o ano de 2021, considere apoiar nosso trabalho para criar e manter comunidades de segurança, amor e esperança para LGBTQIA + atuais e ex-santos dos últimos dias e suas famílias e amigos por fazendo uma doação hoje. Sua doação agora ajudará a hospedar nossas conferências internacionais e regionais, apoiar atividades locais, sustentar nossas comunidades online, fornecer treinamento de prevenção de suicídio e garantir que a Afirmação seja capaz de promover efetivamente a compreensão, aceitação e autodeterminação de indivíduos de diversas orientações sexuais, identidades e expressões de gênero. Por favor doe agora.

Postado em:

Receba o boletim eletrônico da Afirmação com conteúdo como este em sua caixa de entrada!

Deixe um Comentário